Áreas de inovação e tecnologia formam nova matriz econômica de Vitória

As experiências em inovação desenvolvidas por grandes empresas e as formas com que essas revoluções tecnológicas fizeram com que vários centros urbanos no mundo repensassem o seu crescimento foram apontadas no encontro “Cidades Inteligentes e o Desenvolvimento de Ecossistemas de Inovação”, que aconteceu no auditório da Prefeitura de Vitória, nesta terça-feira (23).

O CEO da TechPolis, situada nos Estados Unidos e que atua com as principais empresas do setor de tecnologias de informação e comunicação, Ricardo Tavares, e o diretor de Pesquisa e Desenvolvimento e Inovação da Ericsson do Brasil, Edvaldo Santos, apresentaram o que cada instituição tem feito nessa área e que afetará a vida das pessoas num futuro próximo.

Tavares apresentou as experiências de San Francisco, San Diego e Dubai, identificando fatores de sucesso na formação de centros de inteligência e inovação.

“Todas essas cidades trabalharam inovação de forma diferente. Dubai utilizou o marketing e o produto que se tornou escasso, no caso o petróleo, para buscar um novo caminho, agora voltado à inovação. San Diego apostou na pesquisa proveniente das universidades para o desenvolvimento do seu parque de inovação. O ambiente social fez com que San Francisco criasse uma nova infraestrutura, que a tornou referência nos Estados Unidos”, contou.

5G

Já Santos mostrou o que a área de pesquisa e desenvolvimento está preparando, com o apoio da Ericsson, para o futuro tecnológico, tendo como base dados móveis, implementados por meio da rede de telefonia celular nos últimos anos. Segundo ele, a tecnologia 5G, que entrará em operação em breve, dará um salto na oferta de serviços às pessoas em diversas áreas.

“Estamos trabalhando como parceira de várias instituições, visando melhorar a qualidade de serviços através de tecnologias, por meio de inovações nos setores de transporte, da segurança pública e de agronegócios. Hoje, há uma guerra para atração de pesquisas e desenvolvimento de inovação no mundo. Pesquisa e inovação são geradores de riquezas para as nações, empresas e pessoas”, apontou.

Nova matriz econômica

Na abertura do evento, o prefeito de Vitória, Luciano Rezende, enfatizou que “a nova matriz econômica para a capital, pós-Fundap, está no desenvolvimento da inovação e da tecnologia, além de gastronomia, turismo, serviços e comércio”.

Ele confirmou que, até o final deste ano, será disponibilizado ao mercado R$ 1,5 milhão por meio de edital para o desenvolvimento de startups, numa parceria entre a Prefeitura de Vitória e a Findes, através do Senai-ES. “Essa política de inovação vai consolidar esse ecossistema no qual Vitória está inserida, tornando-se cada vez mais uma cidade inteligente”, destacou.

Política Municipal de Inovação

O presidente da Companhia de Desenvolvimento, Inovação e Turismo de Vitória (CDV), Leonardo Krohling, apresentou a nova política municipal de inovação. Ele destacou que a proposta seguiu as diretrizes estratégicas “Cidade Inteligente e Cidade Humana”, no âmbito do Planejamento Plurianual 2018-2021.

“Vitória tem se desenvolvido como um terreno fértil para a inovação no Brasil, atraindo empresas desse setor e fortalecendo as que já estão aqui”, disse.

Para isso, foram definidos três temas de maior interesse tecnológico para a capital: Cidades Inteligentes e Sustentabilidade; Metalmecânica e Logística; e Petróleo, Gás, Biocombustíveis e Energia. A base para a nova Política de Inovação foi elencada a partir de quatro pilares: Lei, Ambientes, Benefícios e Financiamento.

Projetos de impacto social e tecnológicos (startups 2,5), empresas em fase inicial (startups) e as empresas inovadoras que estejam e venham estabelecer sede em Vitória (spin off) estão entre as ações que serão contempladas pela nova Política Municipal de Inovação, além de outras ações voltadas para o fomento, financiamento e benefícios às empresas.

Mesa-redonda

Após a apresentação dos painéis, foi realizada a mesa-redonda “Criando ecossistemas de inovação vibrantes”, que discutiu os ecossistemas nacionais e internacionais.

Participaram desse debate o presidente do Sindicato das Empresas de Informática do Espírito Santo, Luciano Raizer, o presidente da CDV, Leonardo Krohling, o assessor Especial de Administração e responsável pelo setor de Tecnologia da Informação da Prefeitura de Vitória, Márcio Passos, o diretor de Inovação da CDV, Marcílio Riegert, diretor de Pesquisa e Desenvolvimento e Inovação da Ericsson, Edvaldo Santos, e o CEO da TechPolis, Ricardo Tavares. O jornalista Luiz Carlos Azedo foi o moderador.

Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Rolar para cima